escritores filósofos lusófonos historiadores mulheres músicos sociólogos antropólogos realizadores professores poetas psicólogos jornalistas pintores actores John Lennon críticos teólogos Agostinho da Silva Ayn Rand Christopher Hitchens David Lynch Edgar Morin Federico Fellini Fernando Savater Frank Zappa George Steiner Hans Kung Jared Diamond Kurt Vonnegut Lévi-Strauss Raymond Aron Simone de Beauvoir Steven Pinker Woody Allen arqueólogos astrónomos biólogos economistas editores geógrafos Al Worden Alain Corbin Alain de Botton Alberto Manguel Aldous Huxley Alexandre O’Neill Almada Negreiros Amartya Sen Amos Oz Anselmo Borges Anthony Giddens Antonio Tabucchi Atom Egoyan Bart Ehrman Bob Marley Bruno Latour Carl Gustav Jung Carl Sagan Carlos Drummond de Andrade Cláudio Torres Colin Renfrew Companhia da Palavra Daniel Dennett Darcy Ribeiro Dave Gibbons David Landes David Niven Debbie Harry Eduardo Galeano Eduardo Lourenço Elis Regina Emil Cioran Erich Fromm Evelyn Waugh Fernando Lopes Francis Bacon Francis Fukuyama François Colbert François Furet Geoffrey Miller Georg Lukács Gilles Deleuze Gilles Lipovetsky Gonçalo M. Tavares Gunter Grass Hannah Arendt Harold Bloom Henry Rousso Ian Buruma Irene Pimentel Isaac Asimov J. G. Ballard Jacques Barzun Jacques Derrida Jacques Le Goff James Gandolfini James Hillman Jaron Lanier Jean Genet Jean-Paul Sartre John Gray John Keegan Joni Mitchell Jorge Amado Jorge Lima Barreto Jorge Luis Borges Joseph Campbell José Gil José Mattoso João Bénard da Costa Júlio Resende Jürgen Habermas Kwame Anthony Appiah Laurence Olivier Laurie Anderson Lawrence Grossberg Lester Brown Lindley Cintra Luc Ferry Luiz Pacheco Manuel António Pina Manuel Hermínio Monteiro Marc Augé Margaret Atwood Marguerite Duras Maria Filomena Mónica Maria José Morgado Mario Vargas Llosa Marlon Brando Marshall McLuhan Marshall Sahlins Martin Heidegger Martin Rees Michael Schudson Michel Serres Milan Kundera Monteiro Lobato Muhammad Ali Orson Welles Paul McCartney Paul Ricoeur Peter Singer Philip Roth Pier Paolo Pasolini Quentin Smith Ray Bradbury Raymond Chandler Renato Russo René Pélissier Richard Feynman Robertson Davies Roger Chartier Ronald L. Numbers Rui Bebiano Ruth Levitas Saldanha Sanches Salvador Dali Sam Peckinpah Sebastião Salgado Sherry Ortner Stanley Kubrick Theodor Adorno Tom Holland Tony Judt Truman Capote Vinícius de Moraes Vitorino Magalhães Godinho Vladimir Nabokov Vítor Silva Tavares Warren Buffett William Gibson Zygmunt Bauman ambientalistas astronautas desportistas empresários fotógrafos físicos informáticos jornalismo juristas marketing politólogos políticos

Kwame Anthony Appiah (2012)

Folha de S. Paulo - Existe uma bibliografia enorme sobre revoluções políticas, socioeconômicas ou científicas, mas quase não se fala em revoluções morais. Por que é possível chamar estas mudanças sobre as quais o sr. escreve de revoluções?

Kwame Appiah - Revoluções são grandes mudanças em curtos períodos. Trato de mudanças que costumam acontecer em até 20 anos. Elas não seriam chamadas de revoluções pelas escalas adotadas para a política. Mas o são em termos da vida moral. O hábito milenar de amarrar os pés das mulheres na China, por exemplo, sumiu ao longo de uma geração. O mesmo aconteceu com os duelos. Em 20 anos, passaram de uma prática que o primeiro-ministro poderia adotar para ganhar honra a algo ridículo. No Brasil, a escravidão foi considerada normal por centenas de anos, num curto período ficou "menos normal" e, em seguida, algo abjeto, a ponto de netos não entenderem como seus avôs foram capazes de escravizar.

O sr. já vivenciou alguma revolução moral?

Quando fui morar nos EUA, em 1981, se você dissesse no aeroporto que era homossexual seria imediatamente mandado de volta ao seu país. Hoje, se eu disser no aeroporto de Nova York que sou gay, vão me perguntar quem é o meu marido. Se tivessem me dito à época que cheguei que depois de 20 ou 30 anos eu poderia não apenas afirmar que sou gay como casar com outro homem eu acharia um delírio. Esta é uma revolução moral.

Como é a convivência da moral com a honra?

O caso dos duelos nos ajuda a esclarecer. Eles vinham acontecendo ao longo de 300 anos. Durante todo esse tempo eles eram ilegais, condenados pela Igreja e considerados uma loucura. Nos testamentos que os duelistas deixavam antes das batalhas ficava claro que sabiam que fariam algo errado, mas se sentiam obrigados a seguir por honra. Daí você aprende que a honra é muito poderosa e é independente da moral. Pode enfrentar a moral e vencer. Mesmo hoje: relatos recentes de curdos que assassinaram mulheres por honra mostram que eles o fizeram chorando, que sabiam que era errado, mas que era preciso fazê-lo.

A morte por honra faz com que 5.000 mulheres por ano sejam mortas por "envergonharem" suas famílias. Isso pode acontecer simplesmente porque ela foi estuprada.

O sr. diz que num futuro próximo sentiremos vergonha de termos vivido num tempo em que se matava por honra. Do que mais sentiremos vergonha?

Teremos vergonha de muita coisa, a começar por nossa comida. O tratamento de animais, criados para servirem de alimentos, é um escândalo. Nos Estados Unidos é perfeitamente legal fazer as coisas mais abjetas com porcos, galinhas e vacas que serão servidas nas mesas.

Com os humanos não é melhor. Temos hoje a maior população carcerária da história mundial, cerca de 20% dos presos do mundo. E as condições das prisões são terríveis. Se elas fossem apresentadas como sendo do Paquistão, os Estados Unidos mandariam o Exército intervir. Da mesma forma, se o que é feito em Guantánamo fosse uma obra do governo de Uganda estaríamos defendendo a condenação do presidente deles no Tribunal Penal Internacional.

O sr. considera o governo Obama honrado?

Não. Deveríamos ter muita vergonha dele, e alguns de nós temos. Obama, em quem vou votar novamente, tem um encontro semanal com agentes secretos, todas as terças, para decidir que pessoas da Al-Qaeda ou de outras organizações semelhantes os Estados Unidos irão assassinar.

Passei muitos anos lutando pela liberdade de expressão na China. Mas não me sentia na melhor posição para condenar as prisões se estávamos no negócio de assassinar pessoas.

Apesar de tudo, o livro do sr. parece otimista com relação aos avanços morais, não?

Não conclamo todos ao otimismo. Simplesmente foco nas questões que estão melhorando. Em diversos assuntos não estamos melhor, e em outros estamos piorando. Mas acho que se seu padrão de avaliação é comparar o século 19 com os dias de hoje, você ficará enormemente impressionado com o fato de que as condições simbólicas e materiais são claramente muito superiores hoje. Os chineses e os hindus tiraram centenas de milhões de pessoas da pobreza, é possível fazer uma operação cardíaca em qualquer país do mundo, erradicamos a varíola.

A sociedade dá dois passos para frente e um para trás. Depois de cem passos chegamos a cinquenta passos adiante. Nós andamos para trás todo o tempo, e Guantánamo é um exemplo claro disso, mas por outro lado, ainda que eu seja um crítico do regime chinês, eles estão avançando. Martin Luther King costumava dizer que o arco do universo moral é comprido, mas que ele pende em direção à Justiça.

A expressão "código de honra" é muitas vezes associada a instituições criminosas, como a máfia italiana. No Brasil, circula pela internet uma espécie de "código de honra", ou um estatuto, de uma facção criminosa chamada PCC. O que podemos aprender com estes códigos?

Já vi o código do PCC e ele exemplifica muitas das características dos códigos de honra em geral. Faz referência a ideias morais, como traição, inveja, humildade e respeito, mas vai além da moral ao pregar solidariedade dentro de um grupo em particular. Pelo que vi, o código deles não menciona especificamente honra, mas pressuponho que os integrantes do grupo acreditem que aqueles que permanecem dentro do código merecem respeito. Sem saber mais sobre a sociologia deste grupo, não tenho como prever quão eficiente este código consegue ser na prática e quais os desdobramentos para quem não os cumpre. Mas é um tipo muito interessante de código de honra.


Entrevista de Cassiano Elek Machado para o jornal Folha de S. Paulo a 24 de setembro de 2012 (fonte)